terça-feira, 2 de setembro de 2014

Visita ao Museu da bolsa do Café de Santos

Museu do Café de Santos
Claro que não podíamos deixar de visitar o Museu da Bolsa do Café de Santos, foi incrível!!! Degustamos um delicioso espresso Burbon amarelo na cafeteria do próprio Museu, não preciso nem comentar sobre o café!!! top…
Não só o Museu é bonito, mas todo o centro Histórico da cidade de Santos, uma arquitetura impressionante!
Chegamos de Bonde até o Museu, conhecemos vários locais e edifícios importantes da história da cidade de Santos.
Um pouco sobre os Bondes de Santos
A Linha Turística do Bonde circula de 3ª feira a domingo (e feriados), das 11h00 as 17h00.
O percurso começa na Praça Mauá, no Centro.
O veículo utilizado, construído na década de 20,  foi totalmente restaurado e é um dos poucos remanescentes da época.
O bonde percorre um trecho de 1.700m, em aproximadamente 15 minutos, passando pelas principais ruas e edifícios do Centro Histórico, símbolo de mais um marco de resgate do Patrimônio de Santos, com acompanhamento de Guia de Turismo e um antigo motorista da época em que os bondes ainda funcionavam, elucidando ainda mais sobre o tempo dos bondes.
Ao longo do passeio, percorrem-se vários pontos históricos
Conjunto do Carmo, Pantheon dos Andradas, Correios, Paço Municipal, Local onde nasceram Bartolomeu e Alexandre Gusmão, Casa da Frontaria Azulejada – Arquivo Permanente (FAMS), Santuário Santo Antônio do Valongo, Estação de Trem do Largo Marquês de Monte Alegre – Valongo, Casarões do Valongo – ruínas, Bolsa do Café – Museu dos Cafés do Brasil, Câmara Municipal – Casa José Bonifácio, Associação Comercial, Construtora Phoenix, Alfândega e Mausoléu a Brás Cubas – Fundador de Santos.
Fonte: http://www.santoscidade.com.br/bonde.php
Sobre o Museu
“Esse Palácio pode ser considerado um dos mais ricos do Brasil, digno templo de sua principal riqueza e da incontestável grandeza de nosso Estado.” (Roberto Cochrane Simonsen).
Inaugurada em 1922 para centralizar, organizar e controlar as operações do mercado cafeeiro, na época a principal fonte de riqueza do país, a Bolsa Oficial de Café, em Santos, traduzia-se como arquitetura típica do ecletismo que caracterizou as mais importantes obras do período.
Estilo e volumetria empregados ofereceram resposta compatível à monumentalidade almejada pelos idealizadores, que, durante sua construção, não pouparam esforços nem recursos para aquisição de materiais de acabamento de alta qualidade. Cúpulas de cobre, grandes figuras escultóricas, vitrais, mosaicos de mármore, robustas colunatas de granito são expressões de riqueza e prosperidade do ciclo cafeeiro no país e, ao mesmo tempo, representam a materialidade do desejo de converter o edifício da Bolsa no “Palácio do Porto de Santos”
Nos dias atuais, a imponência arquitetônica da edificação ainda repercute admiração no cidadão que transita pelo centro. Apesar do adensamento urbano ocorrido na região nas últimas décadas, a Bolsa se mantém como o edifício mais suntuoso e emblemático da Baixada Santista. A elevada torre do relógio, com mais de 40 metros de altura, se impõe, à frente do porto, como importante referência paisagística e temporal da cidade.
Caráter simbólico e expressão arquitetônica são atributos solicitados a uma edificação dessa natureza, inerentes desde a vocação – local de concentração dos negócios cafeeiros do país – à concepção final da obra. Necessidade e responsabilidade que talvez expliquem as mudanças sucessivas do projeto, três ao todo, que objetivaram aprimoramentos necessários até alcançar o escopo almejado.
Preocupações que sensibilizaram a Câmara Municipal de Santos, que suspendeu as limitações legais impostas pelo Código de edificações vigente para permitir obter resultados formais e estéticos satisfatórios.
Extraído do Livro “Palácio do Café”










quarta-feira, 9 de abril de 2014

Visita ao Museu Padre Carlos Weiss - Londrina - PR

MUSEU PADRE CARLOS WEISS
Visitamos o museu Padre Carlos Weiss, na cidade de Londrina-PR, muita história da colonização do município, fotos, peças históricas e como o Paraná tem um laço muito forte com a produção do café até hoje, Londrina tem muita história sobre o assunto.
História
O Museu Histórico de Londrina foi inaugurado em 18 de setembro de 1970, na antiga Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Londrina e a partir de 1974 tornou-se órgão suplementar da Universidade Estadual de Londrina, vinculado academicamente ao Centro de Letras e Ciências Humanas.
Desde 10 de dezembro de 1986, ocupa o prédio da antiga Estação Ferroviária de Londrina, que por suas linhas arquitetônicas constitui-se em marco histórico da origem inglesa da colonização de Londrina e do Norte Novo do Paraná.
A missão do Museu é desenvolver ações de resgate, preservação e divulgação do patrimônio cultural de Londrina e região, procurando tornar visível a trajetória histórica de sua sociedade; dar suporte ao ensino, pesquisa e extensão e promover a reflexão crítica da realidade histórica, contribuindo para a renovação e melhoria da qualidade de vida e da dimensão cultural da população.
O MUSEU POSSUI 3 SETORES:
Setor de Imagem e Som "Eugênio Brugin"
O setor possui um acervo de aproximadamente 50 mil peças (fotografias, álbuns fotográficos, negativos de vidro, negativos flexíveis, slides, filmes de 16mm e 35mm, quadros, discos, depoimentos gravados de pioneiros de diversas profissões em fitas K-7 e Vídeo).
São diversas as coleções fotográficas que integram o acervo, produzidas, sobretudo, a partir do final da década de 1920.
Destacam-se as coleções de José Juliani, fotógrafo oficial da Companhia de Terras Norte do Paraná , que registrou o desenvolvimento de Londrina e região nas décadas de 1930 a 1960. Coleção de George Craig Smith, integrante da Primeira Caravana que chegou em Londrina em agosto de 1929 e registrou as primeiras imagens no Patrimônio Três Bôcas, que deu origem a cidade de Londrina. E a Coleção de filmes de 16mm do pioneiro Hikoma Udihara que documentou a cidade de Londrina e região nas décadas de 1940, 1950 e 1960.
Setor de Objetos
Compõe-se de coleções das mais variadas categorias de objetos e materiais representativos do cotidiano dos cidadãos londrinenses e da região, desde os primeiros colonizadores.
Setor de Biblioteca e Documentação "José Garcia Molina"
O acervo é constituído de documentos textuais, mapas, plantas, microfilmes, periódicos, monografias, depoimentos, etc. que retratam a história de pioneiros de Londrina e região.
No museu pode-se conhecer além da história de Londrina, a história do prédio, que é um dos cartões postais de Londrina.
                                                                                                   Museu Histórico Pe Carlos Weiss
Rua Benjamim Constant, 900 - Centro
(Próximo ao Terminal Urbano de Londrina)
Londrina - PR CEP: 86010-350.
Fone: (0xx43) 3323-0082
Fax: (0xx43) 3324-4641
e-mail: museu@uel.br
Visite o site oficial: http://www.uel.br/museu
Horário de Atendimento:De 2ª a 6ª feira: das 9h00 às 11h30 e das 14h30 às 17h30.
Sábados e domingos: das 9h00 às 11h30 e das 13h00 às 17h00.
fonte: http://www.londrina.pr.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=112&Itemid=39
























quarta-feira, 12 de março de 2014

Café com Maracujá

Receita com café!!!!

Ingredientes:
  • 2 colheres de sopa de leite condensado
  • 3 bolas de sorvete de creme
  • 50 ml de suco de maracujá concentrado
  • 3 pedras de gelo
  • 60 ml de café extra forte
  • Chantilly
  • Calda de chocolate
Modo de preparo:
Bata todos os ingredientes no liquidificador menos o chantilly e a calda. Decore o copo com a calda e despeje o conteúdo do liquidificador e cubra com chantilly.

Outras receitas também no nosso site: www.cafedobarista.com.br

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Cafeteria Francesa

Cafeteira Francesa


Para os amantes de um bom café, que tal preparar um delicioso café em uma Cafeteira Francesa também conhecida como French Press?
É um mecanismo é simples, prático, não necessita eletricidade e dispensa o uso de filtro de papel.
Anote as principais dicas do passo-a-passo para preparar um café delicioso.
  • Retire a tampa da cafeteira e coloque o pó de café no fundo do copo na quantidade desejada. Sugiro começar com três colheres de sopa para cada litro de água;
  • Esquente a água quase próxima ao ponto de fervura. A temperatura ideal da água deve estar em torno de 90ºC. A temperatura da água afeta o sabor do café;
  • Coloque água suficiente para cobrir o pó de café e mexa gentilmente (deixando que o café espume ou desabroche, especialmente se ele foi moído recentemente). Depois complete com água, deixando aproximadamente o espaço de uma polegada do topo;
  • Mexa com uma colher de plástico ou de madeira para não danificar o vidro de sua prensa francesa (se for mesmo usar uma colher de metal, tenha cuidado);
  • Recoloque a tampa da cafeteira com o êmbolo todo levantada;
  • Deixe a infusão de café por no máximo 4 minutos. Geralmente, quanto mais grosso for à moagem, maior será o tempo de infusão. Cafés diferentes vão precisar de uma medida diferente de granularidade de moagem e tempo de infusão. Se seu café ficar muito tempo, ele vai remover os elementos amargos em excesso, e você deve ou reduzir o tempo ou usar uma moagem mais grossa;
  • Mexa novamente antes de empurrar o êmbolo; Isto deixa o café mais encorpado e saboroso;
  • Pressione o filtro gentilmente, deixando o lado certo do filtro para cima. Tome cuidado!
  • Coloque o café devagar na xícara para minimizar os sedimentos finos. Não deixe o café na prensa muito tempo depois de pronto, ou ele vai amargar por causa do contato com o sedimento. Se não quiser servir tudo de uma vez (não recomendado), coloque em uma garrafa térmica;
  • Deixe sua caneca descansar por pelo menos um minuto para deixar quaisquer sedimentos assentarem.
DICAS:
  • Os cafés encontrados em supermercados são geralmente mais finos. Neste caso, deixe-o decantar um pouco mais antes de filtrá-lo.
  • Limpe sua prensa francesa entre os usos. Remova o filtro e lave bem.
  • Para evitar que a água transborde, não encha muito a cafeteira e não pressione o êmbolo muito rápido.
  • Café é basicamente água e usar água pura vai melhorar o sabor.
  • Uma prensa francesa pode ser usada para fazer chá ao substituir as folhas de chá pelo café moído, alterando o tempo de acordo.
  • Não deixe o café na prensa muito tempo depois de pronto, pois ele ficará amargo devido ao contato com o sedimento.
  • Você também pode cremar o o seu leite para preparar um delicioso capuccino caseiro, aqueça o leite, retire o embolo (filtro) da sua cafeteira, despeje o leite aquecido, coloque o embolo e com faça movimento moderado de subir e descer o embolo por volta de 1 minuto, isso vai fazer seu leite ficar bem cremoso, em uma xícara coloque 1/2 de café e complete com o leite cremoso, pode utilizar uma colher para ajudar e pronto!!!
Se gostou acesse nossa loja virtual e garanta já a sua!!!! trabalhamos com uma linha de produtos premium!!!